30 de out de 2010




E querido, eu já não preciso da sua proteção. Suas palavras eram de seda, e elas se rasgaram. Agora, já não sou mais eu que faço seu sofrimento. Isso dura até quando você mesmo achar suficiente.
Vai precisar ouvir de quantas pessoas a mesma coisa?
Nem tudo está ao seu alcance, e eu não sou um objeto.
Talvez, agora você entenda porque eu tinha medo no começo. Talvez agora, tudo já faça um sentido diferente pra você, do que sempre fez pra mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário